Bahia

Energia Solar é tema de debate em encontro baiano

06 Dezembro 2017 - 12:29

Energia Solar é tema de debate em encontro baiano

Foto: João Ramos/Ascom-SDE

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner, defendeu a necessidade de uma visão sustentável durante o Encontro Baiano de Energia Solar, que aconteceu nesta terça-feira (5), no Sheraton Hotel da Bahia, em Salvador. "A gente fala muito de meio ambiente, mas nem sempre pratica. O discurso é sempre muito simpático, porém a ação nem sempre vem junto com ela. É difícil lidar em uma guerra de precipitados contra os que têm pensamentos de longo prazo. A questão da energia renovável deve ser uma visão de preservação do Planeta". O evento reuniu os principais atores do setor fotovoltaico do estado para discutir os avanços da energia solar fotovoltaica na Bahia, o leilão de energia previsto para o próximo dia 18 e a expansão do mercado. Aconteceram também debates sobre as políticas públicas em desenvolvimento, o panorama da geração distribuída, a implantação de empreendimentos centralizados no estado e os desafios que já foram enfrentados.  Além de Wagner, compuseram a mesa de abertura o presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Sauaia; o superintendente de Energia e Comunicação da Secretaria de Infraestrutura do Estado, Celso Rodrigues; o superintendente do Sebrae Bahia, Jorge Khoury; o secretário da Cidade Sustentável do Município de Salvador , André Fraga, e gerente de Negócios do Senai Cimatec, Miguel Filho.

Segundo Rodrigo Sauaia, a energia solar fotovoltaica tem na Bahia um estado protagonista, na medida em que a mesma concentra por volta de um terço de todos os projetos de usinas de grande porte, com mais de 800 MW de capacidade contratada pelo setor solar fotovoltaico. "A Bahia está na primeira posição no ranking projetos de geração solar fotovotaica do Brasil. Parte destes projetos já está, inclusive, entrando em operação. Este ano e o próximo, serão anos de muita atividade no setor, com geração de empregos, investimentos e desenvolvimento de projetos". O diretor da Ecoluz, Luiz Carlos Lima, que participou do painel sobre o ‘Panorama do Mercado de Geração Distribuída na Bahia’, chamou a atenção para o receio que as pessoas ainda têm no investimento em projetos de geração distribuída. "Temos uma tecnologia nova com apelo muito forte em economia, mas que tem valor de investimento muito elevado, e as pessoas ficam receosas em investir. Têm dúvidas se vai efetivamente alcançar o resultado proposto, se a tecnologia não vai gerar algum tipo de problema no curto e médio prazo. Um evento como esse traz a oportunidade de colocar algumas novidades, exemplos, paradigmas, comparações que deixam as pessoas mais cientes de que não somos os únicos a avançar, o mundo inteiro está indo neste caminho".