BUSCA PELA CATEGORIA "Política"

13 Dezembro 2017 - 08:54

Denunciada, mãe de Safadão deixa cargo de vice-prefeita para se dedicar a carreira do filho

Foto: Arquivo Pessoal

A mãe do cantor Wesley Safadão, Dona Bil, renunciou nesta terça-feira (12) ao cargo de vice-prefeita da cidade de Aracoiaba, no Ceará. Em sua carta de renúncia, ela alegou que vai se dedicar à carreira do filho. Dona Bil foi eleita em 2016 e chegou a ser afastada após denúncia de abuso de poder, mas voltou ao cargo por meio de uma decisão liminar do TSE. "Deixo claro, neste ato de renúncia, que a motivação de minha renúncia se reveste, única e exclusivamente, na necessidade de cuidar de forma mais próxima dos negócios da família e de forma mais especial dedicar meu carinho à carreira do meu filho, o cantor Wesley Safadão", escreveu a mãe do cantor. No documento, ela afirma que vai manter atuação na política de Aracoiaba, mas sem exercer cargos elegíveis.

09 Dezembro 2017 - 13:19

Ministro Antonio Imbassahy pede para sair do governo Temer

Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

O ministro da articulação política, Antonio Imbassahy (PSDB-BA), pediu nesta sexta-feira (08) para deixar o governo. O pedido de exoneração foi aceito pelo presidente Michel Temer. Na carta que oficializa o pedido, Imbassahy escreveu que vai continuar contribuindo com a gestão Temer na Câmara. Ele reassumirá o mandato de deputado federal. A saída de Imbassahy do governo vinha sendo ventilada desde novembro, quando o PSDB iniciou o movimento de deixar a base aliada. Além disso, alguns partidos da sustentação do governo no Congresso tinham críticas com relação ao trabalho do agora ex-ministro. "Fazer parte do seu governo foi, para mim, uma honra. Atuar na articulação política em um período de radicalização pós-impeachment, com uma grande fragmentação partidária, em meio a enormes dificuldades econômicas e fiscais, representou um grande desafio", escreveu Imbassahy na carta a Temer.
 

06 Dezembro 2017 - 18:04

Tiririca faz primeiro discurso na Câmara para dizer que está 'abandonando a vida pública'

Foto: Alexandra Martins/Câmara dos Deputados

O deputado federal Tiririca (PR-SP) subiu à tribuna da Câmara nesta quarta-feira (6) para fazer um discurso no qual disse estar com "vergonha" da política e, por isso, está "abandonando a vida pública". No discurso, o deputado não esclareceu se a afirmação significa que ele renunciará ou que deixará de disputar eleições. Procurada, a assessoria de Tiririca informou que ele não pretende mais se candidatar. Este foi o primeiro discurso de Tiririca desde que ele foi eleito pela primeira vez, em 2010. O deputado está no segundo mandato e afirmou que deixará a vida pública por estar "bem chateado" com a política. "Subo nesta tribuna pela primeira vez e pela última vez, não por morte, [mas] porque estou abandonando a vida pública", disse. O deputado também acrescentou: "É triste e o que vi nesses sete anos, saio totalmente com vergonha, não vou generalizar, não são todos, tem gente boa como em qualquer profissão".

Tiririca ressaltou ainda ser, segundo ele, um dos deputados mais assíduos na Câmara. No discurso, ele afirmou não ter feito "muita coisa", mas atribuiu isso à "mecânica louca" do Congresso Nacional. "Estou saindo triste para caramba, estou muito chateado, muito chateado mesmo com a nossa política, com o nosso parlamento. Eu, como artista popular que sou e político que estou, estou bem chateado. Não com os meus sete anos aqui na política. Não fiz muita coisa, mas, pelo menos, fiz o que sou pago para fazer, estar aqui e votar de acordo com o povo", declarou. Para Tiririca, o Congresso brasileiro "trabalha muito e produz pouco". A um plenário esvaziado, com poucos deputados presentes, Tiririca disse ter sofrido preconceito no período em que esteve na Câmara. Na opinião dele, esse preconceito aconteceu por ele ser "humilde, do povo". "Sofri preconceito. Ontem mesmo, ao chegar, um colega... colega, não. A gente discutiu, pensei até que ele ia me agredir. Depois, fui levantar a ficha dele e o cara é mais sujo do que pau de galinheiro, tem mais de cinco processos por desvio de dinheiro público. E aí vem falar o que, por eu ser um cara humilde, um cara do povo?”, questionou. Tiririca também avaliou que os parlamentares são bem pagos, têm "mordomia" e, por isso, devem fazer jus à remuneração que recebem. Tiririca afirmou, ainda, andar de cabeça erguida pelos aeroportos, o que, na opinião dele, muitos parlamentares não fazem com receio da população. "Ando nos aeroportos de cabeça erguida, mas eu acho que muitos dos senhores não têm essa coragem, de dizer que são parlamentares, porque é uma vergonha, é vergonhoso", disse.

CONTINUE LENDO

29 Novembro 2017 - 11:09

Jacques Wagner lidera com 40% pesquisa de intenção de voto para senador na Bahia

Foto: Reprodução

De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Paraná Pesquisas, realizada entre os dias 16 e 21 de novembro, em 72 municípios baianos e com a colaboração de 1.576 eleitores, referente ao cenário eleitoral para o cargo de senador na Bahia, o ex-governador do Estado, Jacques Wagner aparece com 40,6% das intenções votos. A segunda colocada é Alice Portugal (26%), seguida por Antônio Imbassahy (19,3%), Zé Ronaldo (14,1%), João Leão (11,3%) e Márcio Marinho (8,4%). Neste cenário, a opção "Nenhum" teve 20,2% dos votos, e "Não Sabe" (4,6%). Em outro cenário, a pesquisa mostrou Jacques Wagner novamente como principal opção para 39,9% dos eleitores, seguido de Alice Portugal (26,5%), Jutahy Magalhães Jr (18,4%), Zé Ronaldo (14%), João Leão (12,1%) e Tia Eron (9,5%). Nesta situação, 19,1% dos participantes da pesquisa afirmaram não votar em nenhum destes candidatos, e outros 4,2% não sabem.

22 Novembro 2017 - 13:16

Com ida de Nilo para o PSB, Nelson Leal assumirá presidência do PSL na Bahia

(Foto: Patrick Cassiano | Bahia Verdade)

A iminente saída do deputado estadual Marcelo Nilo do PSL para o PSB vai gerar uma reviravolta no que até então vinha sendo especulado em relação ao próximo presidente estadual da legenda social-liberal. De acordo com informações obtidas pelo Bahia Notícias, o diretório do PSL na Bahia sairá das mãos de Nilo para as do deputado estadual Nelson Leal, correligionário e ex-aliado do ex-presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). Nos bastidores, ventilava-se que o atual secretário-geral da agremiação, Antonio Olívio, assumiria a cadeira do parlamentar (veja aqui). Entretanto, as negociações para assunção de Leal estão avançadas, segundo fontes ouvidas pela reportagem. E, ainda conforme o apurado pelo BN, a ida do deputado para a presidência da agremiação pode fazer com que ele consiga restabelecer pelo menos parte da base do partido, que atualmente possui apenas o próprio Leal e Nilo - este último em vias de deixar o ninho político. Recentemente, Alan Castro, Jurandy Oliveira e Manassés abandonaram a sigla e ingressaram no Pros. No entanto, este movimento faz parte apenas de uma articulação política para reorganizar os espaços dos blocos partidários na AL-BA, o que significa que o troca-troca partidário não é definitivo. No site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Manassés ainda consta como filiado ao PSL. Já Reinaldo Braga, que pode ser o próximo a entrar no Pros, aparece no TSE como tendo o registro eleitoral no PSL cancelado. Entretanto, o nome dele ainda não aparece entre os integrantes do Pros. O mesmo ocorre com Jurandy e Alan.

10 Novembro 2017 - 12:17

STJ rejeita pedido de afastamento do governador Robinson Faria

Foto: Reprodução

O pedido feito pelo Ministério Público Federal para afastar o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, de suas funções, foi rejeitado nesta quinta-feira (9) pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). A decisão do relator do caso, ministro Raul Araújo, negou todas as medidas cautelares solicitadas. A decisão foi publicada nesta sexta-feira (10). Faria foi denunciado em setembro por obstrução de Justiça, após deflagração da Operação Anteros, que apurou manobras ilegais por parte de Robinson Faria e de servidores do governo potiguar para impedir investigações sobre os desvios na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Os desvios foram investigados dentro da Operação Dama de Espadas. O governador e os outros denunciados negam a prática dos atos ilegais. Além do afastamento, a Procuradoria Geral da República também pediu que o governador fosse proibido de acessar o Centro Administrativo - sede do governo estadual - e a Assembleia Legislativa, bem como entrar em contato com os demais investigados. Dois assessores do governador foram presos temporariamente durante a Operação Anteros: Magaly Cristina da Silva e Adelson Freita dos Reis. Eles também foram denunciados pelo MPF.

26 Outubro 2017 - 23:40

Deputado elogia Neto, mas diz que Rui é um dos melhores nomes que já passou no Estado

Foto: Reprodução

O deputado federal Uldurico Júnior (PV-BA) afirmou em entrevista ao apresentador José Eduardo, na manhã desta quinta-feira (26), que caminhará ao lado do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), nas eleições de 2018. ”A gente tem um alinhamento ao lado de ACM Neto. Nós temos quatro vereadores do Partido Verde, que são oposição ao Governo do Estado. É claro que a gente vai discutir com todo partido, […] mas a gente tem tendência a estar fazendo oposição ao governador do Estado”, disse em conversa na Rádio Metrópole. Ainda na oportunidade, o aliado do demista afirmou que Rui Costa (PT) tem feito uma boa gestão enquanto governador. ”Felizmente, na Bahia a gente tem um disputa entre bons gestores. Eu credito que dentro do Partido dos Trabalhadores um dos melhores nomes que já passou em nosso Estado é o governador atual. Essa competição de quem faz mais obras, só quem ganha é o povo. O prefeito que pega a prefeitura como pegou, que faz oposição ao Governo do Estado, e também ao Governo Federal na época da presidente Dilma [Rousseff], e ser considerado o melhor prefeito do Brasil, é um orgulho para nós baianos. E sem dúvida nenhuma vai ser pedra no sapato”, encerra.

19 Outubro 2017 - 12:35

Temer libera R$ 200 milhões em emendas orçamentárias para livrar Aécio

Foto: Marcos Corrêa

O presidente Michel Temer autorizou a liberação de R$ 200 milhões em emendas orçamentárias para que o Senado rejeitasse as recomendações do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o senador Aécio Neves (PSDB-MG). O tucano teve o mandato suspenso e foi obrigado a recolhimento noturno após decisão da Corte. Eram necessários pelo menos 41 votos de um dos lados para que a decisão valesse, e o placar acabou 44 apoios contra 26. De acordo com o blog do Josias de Souza, no Uol, os três votos excedente foram da bancada do Matro Grosso do Sul. Os senadores Simone Tebet (PMDB), Waldemir Moka (PMDB) e Pedro Chaves (PSC) diziam em privado que votariam contra Aécio, mas depois do aceno orçamentário votaram a favor do tucano. Segundo a publicação, o presidente do PMDB e líder do governo, Romero Jucá (RR), avisou que não iria ao plenário, mas Temer o estimulou-o a comparecer. O presidente do Conselho de Ética, senador João Alberto Souza (PMDB), estava com uma cirurgia agendada para o horário da votação, mas desmarcou. O senador Paulo Bauer (SC), líder do PSDB, teve um mal súbido e foi levado para o hospital. Depois de apelo do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), ele voltou ao Senado de ambulância. De acordo com o blog, Temer espera que Aécio ajude a enterrar na Câmara a segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR).

17 Outubro 2017 - 12:19

STF determina que votação sobre afastamento de Aécio Neves será aberta

Foto: Reprodução

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou hoje (17), por meio de decisão liminar, que a votação sobre o afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) seja realizada de forma aberta e nominal pelo plenário do Senado. Moraes acolheu os argumentos do senador Randolphe Rodrigues (Rede-AP), que ingressou ontem (16) com um mandado de segurança no Supremo para garantir a votação aberta, após o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), ter sinalizado a discussão com líderes partidários de uma possível votação secreta. Rodrigues argumentou que o artigo 53 da Constituição foi modificado por uma emenda em 2001, após a qual ficou expressamente decidido que a votação sobre afastamento de parlamentar deveria se dar de forma aberta. “Diferentemente do eleitor, que necessita do sigilo de seu voto como garantia de liberdade na escolha de seus representantes, sem possibilidade de pressões anteriores ou posteriores ao pleito eleitoral, os deputados e senadores são mandatários do povo e devem observar total transparência em sua atuação”, escreveu Moraes na decisão desta terça-feira.

13 Outubro 2017 - 12:39

Com queda de Doria nas pesquisas, DEM foca em candidatura de Luciano Huck, diz coluna

Foto: Reprodução

De acordo com a coluna do Estadão, a última pesquisa divulgada pelo Instituto Datafolha acabou com a animação do DEM em relação a uma possível candidatura do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), ao Palácio do Planalto. A publicação diz que membros da legenda se reuniram diversas vezes com o prefeito e abriu as portas para ele, mas o discurso mudou. Caso Doria continue caindo nas pesquisas, demistas afirmam que não irão entrar num ”projeto kamicaze” de comprar briga com o PSDB, um aliado histórico, e com Geraldo Alckmin para lançar o prefeito ao Planalto. Agora, o foco do partido se voltou para Luciano Huck, com quem a sigla mantém encontros frequentes. Um integrante do DEM chegou a afirmar que se Doria iniciar uma tendência de queda irreversível nas pesquisas ”nem ele será candidato se tiver juízo”. Outra possibilidade é a do DEM apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin ao Palácio do Planalto, caso o tucano escolha o secretário Rodrigo Garcia para ser seu candidato ao governo de São Paulo.

10 Outubro 2017 - 12:11

Lula diz que está ”lascado” com processos e quer pedido de desculpa do juiz Sérgio Moro

Foto: Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu na noite desta segunda-feira (09), em discurso inflamado, que está ”lascado” com a quantidade de processos que são abertos contra ele a cada dia e disse não querer absolvição, mas um pedido de desculpas do juiz federal Sérgio Moro. ”Eu sei que eu tô lascado, todo dia tem um processo. Eu não quero nem que o Moro me absolva, eu só quero que ele peça desculpa. Eles estão mexendo com uma pessoa que tem como legado respeitar as pessoas, eu sempre respeitei os de baixo e os de cima”, declarou, acrescentando que não tem medo. ”Agora, não tenho medo, e não posso aceitar as mentiras que a Polícia Federal contou a meu respeito, não posso aceitar as mentiras que o Ministério Público contou e não posso aceitar o juiz Moro ter aceito as mentiras e ter feito o julgamento que fez”. Além da ação referente ao tríplex do Guarujá, pela qual ele foi condenado a nove anos de prisão, Lula é réu em outros seis processos. As falas de Lula aconteceram durante o Seminário da Educação Pública, organizado pela Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT. Lula voltou a defender que as ordens judiciais tem como objetivo impedir sua candidatura à Presidência da República em 2018. ”O objetivo é não deixar o Lula ser candidato? Eu não acho que o Brasil deveria sofrer por conta disso, eu não acho que eles deveriam levar 210 milhões de pessoas a sofrer, a voltar o desemprego só para prejudicar o Lula. Eles acham, e estão fazendo todo santo dia com a certeza de que nós vamos desistir da disputa”, argumentou. Lula apontou também que o problema ”deles” é o desenvolvimento de uma consciência política da população e desafiou seus opositores no que diz respeito a sua força política como cabo eleitoral. ”O problema deles não é o Lula, porque o Lula é feito de carne e osso e desaparece a qualquer momento. O problema deles é que neste país tem milhões e milhões de jovens, de adultos, de velhos como eu, de crianças que já aprenderam a ter consciência política. Então, se eles acham que me tirando da disputa está resolvido o problema deles, façam, e vamos ver o que acontece neste país. Eles chegam a dizer: ah, se o Lula não for candidato, ele não vai ter força como cabo eleitoral. Testem.”

09 Outubro 2017 - 08:44

Câmara dos Deputados começa a analisar nesta semana segunda denúncia contra Temer

Foto: Reprodução

Em uma semana mais curta por causa do feriado de 12 de outubro, a Câmara dos Deputados começará a análise da segunda denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer pelos crimes de obstrução da justiça e organização criminosa. A acusação de organização criminosa é imputada também aos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco. Por se tratarem de autoridades com foro privilegiado, a denúncia só pode ser analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) com a autorização da Câmara. A investigação só pode ocorrer se dois terços dos 513 deputados votarem em plenário favoravelmente à continuidade do processo na Justiça. Antes de ser analisada em plenário, a denúncia deve passar pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara. A primeira reunião da comissão está marcada para a próxima terça-feira (10), a partir das 10h, quando está prevista a leitura do parecer elaborado pelo relator Bonifácio de Andrada (PSDB-MG). Após a apresentação do parecer, ainda na terça-feira, os advogados dos três acusados poderão se manifestar oralmente para expor os argumentos de defesa contra a denúncia. Os membros da comissão poderão pedir o prazo de duas sessões para analisar o parecer e a manifestação dos acusados. Na pauta do plenário, consta uma medida provisória que altera procedimentos administrativos dotando o Banco do Brasil e a Comissão de Valores Mobiliários, “de instrumentos mais efetivos de supervisão e aplicação de penalidades” cometidas por instituições financeiras. Na sessão deliberativa de terça, o plenário pode começar a discutir a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 134/2015, que institui cotas para mulheres no Legislativo. A proposta passou pelo Senado, já foi aprovada em duas comissões da Câmara e aguarda, desde o ano passado, votação pelos deputados em plenário. A proposta chegou a ser pautada na última semana entre as medidas de reforma política, mas permaneceu pendente de votação. A sugestão de mudança constitucional estabelece a reserva de 10% das vagas das câmaras de vereadores de todos os municípios, assembleias legislativas estaduais e da Câmara Federal para candidatas mulheres. Por se tratar de uma proposta de emenda à Constituição, são necessários pelo menos 308 votos favoráveis no plenário para que a PEC seja aprovada. Segundo a relatora da proposta, deputada Soraya Santos (PMDB-RJ), a maior parte da bancada feminina da Câmara considera tímida a cota de 10%, quando muitos países, entre os quais o Chile, já aprovaram reservas de 30 a 40%. Soraya destaca, entretanto, que a aprovação da PEC seria um passo importante para acabar com a sub-representação feminina no Parlamento e com a fraude de usar mulheres como “laranjas” para ajudar a eleger homens.

04 Outubro 2017 - 14:00

Otto afirma que votará a favor do afastamento de Aécio, mas pede que Senado adie decisão

Foto: Agência Senado

O senador Otto Alencar (PSD-BA) defendeu o adiamento da votação do Senado sobre o afastamento de Aécio Neves, após a 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal decidir afastar o político do cargo. Porém, durante o discurso em plenário, Otto revelou seu voto e disse que votará a favor do afastamento do senador tucano.  ”Venho dar meu depoimento com muita coragem, senhor presidente, tenha prudência, não coloque isso pra votar, espere a decisão deixe para votar dia 11. Se votado hoje, eu não tenho como esconder minha posição  será favorável a decisão do Supremo Tribunal Federal, porque decisão judicial não se discute, cumpre-se”, afirmou. Otto Alencar qualificou à gestão de Aécio Neves enquanto governava Minas Gerais e disse que doía muito o julgar. ”O caso dele não é caso de prisão é um recolhimento a noite na sua residência, portanto, é se esperar o dia 11 para essa decisão. Faço isso de forma dolorosa.  Não sou da geração dele, eu tenho 70 anos de idade. Vi a renúncia de um amigo meu, senador ACM, sendo acusado de violação do painel do Senado Federal. Não foi ele que fez. Dói muito em mim saber que eu tendo e vendo na figura do senador Aécio Neves, grande governador de Minas Gerais, que fez seu sucessor, e ele teve um momento que encarnava o sentimento de uma gestão nova, de um Brasil novo, pra frente. Dói em mim saber que ele esta envolvido em um caso grave”. ”Venho com muita tranquilidade. Sempre tive cuidado em respeitar a lei e não fazer nada que pudesse macular a minha imagem. Essa Casa nunca tomou a iniciativa de dizer ”vamos ler o pedido de impeachment do ministro do Tribunal. Me perdoe, mas por falta de decisão e coragem de não se colocar de frente ao Supremo. Quero pedir que vossa excelência tenha prudência, equilíbrio, essa luta já vem de tempo. Não vai ser agora que essa turma toma uma decisão apertada, que nós vamos agora depois de tanto se ajoelhar, dizer agora não, agora vamos tomar uma decisão para testar a decisão judicial. Decisão judicial não se discute, cumpre-se”. O senado analisa o requerimento para adiamento da votação do Ofício 70/2017, que trata das medidas cautelares decididas pelo STF contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

02 Outubro 2017 - 15:06

Maioria dos brasileiros quer Lula preso, aponta pesquisa

Foto: Reprodução

As provas apresentadas na investigação Lava Jato contra o ex-presidente Luiz Inácio da Silva seriam suficientes para justificar a prisão do petista. Esta é a avaliação de 54% das pessoas entrevistas pelo Datafolha. O levantamento foi publicado nesta segunda-feira (2), pela Folha. Entretanto, a mesma pesquisa aponta que 40% dos entrevistados avaliaram que o petista não deve ser preso, com base nas provas que apareceram até agora. A pesquisa também revelou que 5% das pessoas abordadas preferiram não opinar sobre o destino do ex-presidente petista que governou o país entre 2003 e 2010; e elegeu Dilma Rousseff como sua sucessora. O Datafolha também perguntou sobre a situação do atual presidente Michel Temer (PMDB). Para 89% dos entrevistados, a Câmara dos Deputados deve abrir sim o processo contra Temer por organização criminosa e obstrução da Justiça. Se o processo for adiante, Temer pode ser afastado do cargo por seis meses. De acordo com a pesquisa, apenas 7% dos entrevistados não concordam com a continuidade do processo de investigação do presidente Temer. 

01 Outubro 2017 - 11:12

Em nova pesquisa Datafolha, Lula venceria 1° e 2° turnos a eleição presidencial de 2018

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se mantém líder na corrida presidencial, com vantagem significativa sobre adversários. A pesquisa vale tanto para eventuais primeiro e segundo turnos. Conforme nova pesquisa do Datafolha, Lula tem pelo menos 35% das intenções de voto nos cenários testados, mesmo após a condenação em primeira instância pelo juiz Sergio Moro. Abaixo do ex-presidente, aparecem o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) e a ex-senadora Marina Silva (Rede). Em cenários com Lula, Bolsonaro oscila entre 16% e 17%, e Marina varia entre 13% e 14%. Os tucanos Geraldo Alckmin e João Doria apresentam desempenho equivalente na disputa com Lula, Bolsonaro e Marina. Segundo o levantamento, o governador de São Paulo e o prefeito da capital alcançam 8% das intenções de voto. Em um eventual segundo turno, Lula pela primeira vez vence todos os adversários. O petista só empataria se houvesse um hipotético confronto com o juiz Sergio Moro (que tem descartado concorrer a presidente), em que há empate técnico. Na pesquisa anterior, de junho, o ex-presidente já tinha mais intenções que os principais concorrentes no segundo turno, mas empatava também com Marina, além de Moro.